Archive for Outubro 2011

Tendências


     Façamos arte pela arte, noutro sentido que o velho, não esperando que nos vejam, sabendo, até, que não nos verão. Pensemos, sonhemos. Assim poderemos trabalhar calmos e cuidadosos, pois o que criarmos se não destina a hoje ou a amanhã, mas tem o instinto da perfeição do que não é destinado a ninguém, na divina calma de não ter um fim. Talvez outras gerações o conheçam, e talvez não o conheçam nem nos conheçam também, e, de qualquer modo, não importa. 
     Porque é bela a arte? Todos os caminhos são para ir de um ponto para o outro. Quem nos dera o caminho feito de um lugar donde ninguém parte para um lugar para onde ninguém vai!

25 outubro 2011
Posted by Nuno T. Menezes Gonçalves

Simple things

Sugestões de verbas da despesa pública perfeitamente passíveis de serem cortadas do Orçamento de Estado:



Acabar com o "aborto gratuito" no Serviço Nacional de Saúde: no referendo, o povo português só aprovou a despenalização do aborto, não a promoção do aborto através de subsídios políticos;

Acabar com a atribuição do "subsídio de maternidade" e a licença de 30 dias para as mulheres que abortam uma ou até várias vezes por ano;

Acabar com o subsídio de viagem e alojamento dado a mulheres das regiões autónomas que vêm abortar a Lisboa.



Em vez de se cortarem os subsídios de férias e de Natal, é muito mais lógico e ético impedir que o dinheiro dos portugueses seja usado para matar gerações futuras.


Simples!
24 outubro 2011
Posted by Nuno T. Menezes Gonçalves

'D. Quixote de la Mancha', Miguel de Cervantes

     A história de Dom Quixote de la Mancha pode bem começar com uma citação sua: «Não tenho medo de nada  nem de ninguém e muito menos de dois leões que não passam de fracos gatinhos». Também apelidado de Cavaleiro da Triste Figura, por ter perdido grande parte dos seus dentes numa peculiar aventura e pelo seu ar escanzelado e esguio, o nosso herói é nada mais nada menos que um valente louco com virtudes inúmeras.
     O pacato Alonso Quixano, de tantos livros da Cavalaria Andante ter lido, um belo dia quase exigiu que fosse ordenado cavaleiro andante e transformou-se no ilustre D. Quixote de la Mancha. Em virtude do título ganho, rumou cavalgando a terras espanholas, no seu cavalo Rocinante, em busca de ressuscitar a perdida Ordem da Cavalaria Andante e de honrar a sua donzela Dulcineia de Tolboso com as suas fartas façanhas e conquistas, sempre acompanhado do seu fiel escudeiro Sancho Pança.
     Herói de comportamento irretorquível, de amores infinitos, de coragem inabalável, com pureza de consciência, católico inabalável, de uma enorme fidalguia e, não obstante todas estas qualidades, com a sua veia de loucura. Exemplos dessa loucura são a aventura dos moinhos de vento que foram tomados como gigantes perversos, do enorme rebanho de ovelhas considerado como um imenso exército inimigo e da bacia do barbeiro que foi vista como o fabuloso elmo de Mambrino.
     A obra de Miguel de Cervantes foi talvez o primeiro verdadeiro romance da literatura universal. E que este prémio, por assim dizer, não seja algo que assuste os leitores... muito pelo contrário! Apesar da linguagem arcaica, é um livro relativamente acessível e repleto de ensinamentos e moral, para não falar do entretenimento constante que proporciona ao leitor. Pelas inúmeras aventuras do insigne D. Quixote de la Mancha, lê-lo é honrar o seu espírito puro e excêntrico, eterno protesto da louca razão!

06 outubro 2011
Posted by Nuno T. Menezes Gonçalves
Tag :

Em mãos

Em mãos

Mais lidos

Etiquetas

- Copyright © O que me faz correr -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -